Sou bem educado, mas sou uma besta

Posted by António Pinheiro  /   May 16, 2022  /   Posted in Passa-se isto assim assim

O Zé cumprimenta os seus funcionários todos os dias. Faz questão de ir a todos os departamentos da empresa “distribuir bacalhau” de mão estendida. Depois, passa o tempo a tratá-los mal, paga mal ao fim do mês e ainda se orgulha disso.

A Genoveva orgulha-se da educação que dá aos filhos. “Não admito má educação aos meus rapazes!”, diz ela. Ao mesmo tempo, gaba-se de estacionar em locais reservados a outros colegas, faz tudo de má vontade, ignora emails de trabalho que lhe são enviados e raramente ajuda um colega.

O Quim fica ofendido quando não recebe um “bom dia”. Em casa, trata a mulher como um criada, chega muitas vezes bêbado e é dono e senhor de televisão.

Fomos ensinados assim: a boa educação é cumprimentar, agradecer e pedir por favor. É estar direitinho à mesa e cumprir com ritos, muitas vezes repetidos sem entendermos o seu significado.

É boa educação oferecer o que estamos a comer e, ao mesmo tempo, é boa educação recusar. Um gesto que se anula. Um rito.

Por isso, o Zé, a Genoveva e o Quim, acham que podem ser umas bestas à vontade, porque se consideram bem educados. Afinal, cumprem com a liturgia que lhes foi ensinada: cumprimentam, agradecem e pedem por favor. A empatia, a simpatia, o civismo vão para o saco.

A boa educação implica a conjugação de muitas variáveis, mas tudo se resume a tratar os outros como gostaríamos de ser tratados.

Até parece fácil, mas não é.

Continuação de um bom dia!

About António Pinheiro

Profissional de marketing, músico e corredor por prazer. Corre na estrada, no monte e de um lado para o outro na vida, atrás e à frente dos filhos.
Artrozen

Comments are closed.

X